11 março 2014

Casa Gourmet gluten free

SONY DSC
Sempre sempre divido aqui na Casa minhas experiência na cozinha. E ultimamente, tenho me interessado muito em alternativas para deixar o glúten de lado. Isso porque eu tinha crises e crises de enxaqueca. Venho tentando faz anos descobrir o que provoca essas dores, mas nada nunca deu muito certo. Até que um médico me sugeriu reduzir o glúten da alimentação. Não retirei a proteína totalmente da minha dieta, mas reduzi pelo menos 80% do consumo de glúten e, notícia boa, nunca mais tive uma dor de cabeça. Outra coisa boa de reduzir o glúten é que essa mudança acabou me ajudando muito na minha Reeducação Alimentar e a jogar fora uns quilinhos. No entanto, para mim, reduzir ou substituir o glúten não é uma condição, é uma escolha. Estou começando nessa busca, mas para Leila Freire, tirar o glúten é uma condição. Ela tem a Doença Celíaca. Desde muito cedo ela aprendeu a lidar com as comidinhas sem glúten e é cheia de truques para fazer delícias sem esse tipo de proteína. Ela ama musculação e corrida, por isso também é cheia de truques fit e sem glúten para driblar aquelas horas que a gente deseja uma porcariazinha. Por tudo isso, a Casa convidou a Leilinha para trocar dicas e receitinhas gostosas sem glúten, mas, antes disso, vamos conhecê-la melhor?


glutenfree01 apresentação2Por Leila Freire

Quando bem criança, por volta dos 2/3 anos, hoje tenho 27, comecei a apresentar alguns sintomas da Doença Celíaca, como vômito, diarreia, desnutrição. Eu não estava me desenvolvendo direito, o que não é normal nesta fase. Foi aí que começaram as pesquisas sobre o que eu tinha. Fomos a diversos médicos em Sergipe, meu estado, e por não ser uma doença comum, apenas um médico suspeitou da doença e pediu para que me levassem ao Rio de Janeiro para que eu pudesse fazer exames específicos, biópsias, dentre outros com um gastropediátrico especialista em alergias.

Lá fomos (eu e minha mãe) ao Rio de Janeiro onde ficamos por um ano indo e voltando constantemente para a pesquisa da doença. À priori, ele suspendeu qualquer tipo de alimento mais comum para alergias como ovos, leite, soja, amendoim e diversos outros. Resumindo: minha alimentação durante um bom tempo resumia-se a arroz, banana, coelho ou rã. Isso fazia parte do processo investigatório. Depois deste primeiro ano de muita correria e sofrimento, pois eu ainda tinha os mesmos sintomas supracitados, veio o diagnóstico de Doença Celíaca (DC). A primeira pergunta que todos me fazem até hoje é: "NOSSA, O QUE VOCÊ COME?".

Quando menor, era mais difícil, pois não vinha em rótulos escrito se havia glúten no alimento e mesmo não havendo nenhum ingrediente que contenha glúten (trigo, centeio, cevada e aveia) poderia haver uma contaminação cruzada no processo de fabricação (quando o produto é isento do glúten e é processado/assado no mesmo local onde existem materiais com glúten), mas, após uma lei de 2003, tornou-se obrigatório apresentar esta informação e tudo ficou mais fácil.

Além de a doença estar cada vez mais fácil de ser diagnosticada e com o acesso à informação, existem cada vez mais lançamentos no mercado de produtos GF (gluten free) e hoje, eu sinto bem menos dificuldade em encontrar esses produtos. Está muito mais fácil me alimentar do que quando criança, onde minhas comidas eram basicamente arroz, feijão e carne.

Na minha adolescência, fui liberada durante um ano a voltar a comer o glúten (fazia parte do tratamento, para saber o grau de sensibilidade e rejeição). Resultado: aumentei 13 kg, ficava inchada, irritada, com constipação, sem vontade de fazer nada (já apresentei outros sintomas diferente de quando criança) e o diagnóstico foi de que o grau de sensibilidade estava elevado e a minha dieta para sempre seria isenta ao glúten. Era preciso cuidado ao comer em restaurantes, pois o risco de contaminação cruzada é altíssimo. Hoje tem lojas de produtos naturais que oferecem diversas opções de comida sem glúten diferenciada, tais como pães, biscoitos recheados, biscoitos salgados, massa para lasanha, chocolates, brownie, farinhas diversas o que nos permite a usar a criatividade.

Por ter iniciado uma vida de exercícios mais intensa, correndo e buscando hipertrofia muscular, eu tenho acompanhamento de nutricionista. Tinha tinha dúvida sobre tipos de suplementos que poderia utilizar, se poderia e, hoje, me sinto feliz e saudável como qualquer outra pessoa, mesmo com essas diversas limitações alimentares. Faço diversas receitinhas sem glúten para mim. Detesto mesmice! Sempre vario nas tortas salgadas, bolos, macarrões com molhos diferentes, lanchinhos, tudo sem glúten de acordo com as minhas necessidade. Minha alimentação diária resume-se a batata-doce, inhame, macaxeira, frutas, tapioca, geléias, carne, peixe, frango, ovos de capoeira, legumes e verduras em geral. Isso além de suplementos alimentares como polivitamínico, ômega 3, bcaa, glutamina e whey protein. E, claro, muita água!

Fora do Brasil, ainda é bem mais fácil encontrar restaurantes com menu especializado para celíacos, porém ouvi que alguns restaurantes no Brasil estão recorrendo a esta alternativa, e, inclusive em Aracaju, existe uma pizzaria que desenvolve pizza sem glúten. Leio muito sobre o assunto e vejo que existem algumas dietas da moda que consistem em retirar o glúten e a lactose da alimentação, apenas como sendo aliado para emagrecimento. Acredito que esses nutrientes têm papel fundamental na vida de uma pessoa isenta de alergias. Nós alérgicos, desenvolvemos diversas carências nutricionais, em virtude da isenção de diversos alimentos, porém não temos escolhas. Por isso, muito cuidado ao tomar esta decisão.

Tirar o glúten acaba ajudando na perda de peso, porque diminui consideravelmente a ingestão de carboidratos e consequentemente a diminuição da ingestão calórica. Em relação à retirada de lactose, por experiência própria, não notei nenhuma diferença em meu corpo após a retirada deste tipo de alimento, mas acredito muito mais que o acompanhamento junto à nutricionista aliado aos exercícios físicos, além logicamente de disciplina e força de vontade, é que vão trazer os resultados esperados se o que você busca é perder peso.

glutenfree01 apresentação2a

Já ansiosa pelas suas dicas, tá Leilinha?!

3 comentários:

  1. Leilinha é um exemplo ! A conheço desde criança por isso, sou testemunha ocular de toda mudança pela qual ela passou! Sua determinação é exemplar!
    Parabéns Leilinha!! Vc é reflexo de uma história de sucesso!
    Bjos!!!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a publicação sobre esse novo assunto !! Continue assim .. Boa matéria

    ResponderExcluir
  3. Por ser sua tia coruja,, me empenho em descobrir novas receitinhas sem glúten e vez em quando me empenho na cozinha testando . Tem dado certo e me sinto feliz quando ela em agradecimento diz ficou deliciaaaaaaaaaaa tia iáiá. A sua disciplina é o grande segredo do sucesso de sua vida saudável. .

    ResponderExcluir

Quero saber o que você achou deste post. Sua opinião é importante!